Últimas notícias do Brasil e do mundo, sobre política, economia, emprego, educação, saúde, meio ambiente, tecnologia, ciência, cultura e carros. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.
Desempenho cai, e pequena indústria aponta carga tributária e taxas de juros como principais problemas, diz CNI

Recuo foi de 3,1 pontos no último trimestre de 2022. Empresários também relataram falta de confiança em janeiro de 2023, pela primeira vez desde julho de 2020. Funcionários da indústria do Alto Tietê trabalham com solda Miguel Ângelo/Ciesp As pequenas indústrias brasileiras tiveram queda no índice de desempenho no último trimestre de 2022. É o que mostra o Panorama da Pequena Indústria (PPI), divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta segunda-feira (30). O recuo foi de 3,1 pontos, a 44,3 pontos – ainda assim, acima da média histórica, de 43,8 pontos. São consideradas de pequeno porte as indústrias com até 50 funcionários. De acordo com o levantamento, a carga tributária e as taxas de juros foram os principais problemas enfrentados pelos empresários do setor nos últimos três meses do ano passado. A pesquisa mostra que 37,6% dos empresários da indústria de transformação consideraram a carga tributária a principal dificuldade. Entre os empresários da construção, o problema foi apontado por 24,5%. Já as taxas de juros elevadas ficaram no topo das reclamações da construção, citadas por 29,3% dos entrevistados. O problema também foi apontado por 21,9% na indústria da transformação. Acesso ao crédito O Índice de Situação Financeira, divulgado no PPI, teve leve queda nos últimos três meses de 2022, de 0,7 ponto, e fechou o ano a 43 pontos. Na comparação com o mesmo trimestre de 2021, o aumento foi de 1 ponto. O levantamento também destaca as queixas em relação ao acesso ao crédito. Empresários dos três setores (construção, transformação e extrativa) relataram aumento da insatisfação no período. “O cenário do mercado de crédito é desafiador, por conta, principalmente, do elevado nível da taxa de juros. Por isso, é ainda mais importante que as micro e pequenas empresas busquem orientação adequada no momento de busca por financiamento ou empréstimo”, diz o gerente de Política Econômica da CNI, Fábio Guerra. A Selic, taxa básica de juros do país, está em 13,75% ao ano desde agosto de 2022. Falta de confiança Os empresários não iniciaram 2023 animados. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) para as pequenas indústrias recuou para 48,8 pontos em janeiro de 2023, após queda de 1,9 ponto na comparação com dezembro. É a primeira vez desde julho de 2020 que o empresário de pequeno porte relata falta de confiança. "Quando o valor do indicador se situa abaixo da linha divisória de 50 pontos, há mudança do estado de confiança para falta de confiança. Essa falta de confiança contribui para um comportamento mais cauteloso por parte dos empresários ao realizar investimentos e contratações", diz o relatório.
Mon, 30 Jan 2023 03:01:18 -0000
Gols do Fantástico: domingo de clássicos e golaços pelos estaduais
Pelo Paulista, São Paulo perdeu para o Corinthians de 2 a 1 no Morumbi. O Corinthians não vencia o rival no Morumbi desde 2017; eram 11 jogos de jejum. Gols do Fantástico: domingo de clássicos e golaços pelos estaduais Este domingo (29) foi de futebol teve clássicos e golaços pelos campeonatos estaduais. Pelo Paulista, São Paulo perdeu para o Corinthians de 2 a 1 no Morumbi. O Corinthians não vencia o rival no Morumbi desde 2017; eram 11 jogos de jejum. Pelo Carioca, no Maracanã, O Botafogo venceu o Fluminense por 1 a 0. E teve clássico no baiano também: Bahia 1, Vitória, 0. Assista aos Gols do Fantástico no vídeo acima. Ouça os podcasts do Fantástico: ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. Todo domingo tem episódio novo. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito.
Mon, 30 Jan 2023 02:39:35 -0000
Nos acordes e nos tambores: Olodum e BaianaSystem celebram a música negra da Bahia em show histórico no Festival de Verão

Grupos festejam o samba-reggae e sacodem festival em dia de duetos como Alcione e Luisa Sonza e Ludmilla e Glória Groove. 'OlodumBaiana': fusão entre as bandas faz o chão tremer no Festival de Verão Salvador Olodum. BaianaSystem. Em comum o destino de revolucionar. É possível dizer que há uma música baiana antes e depois do Olodum. Apesar da carreira mais curta é possível a mesma afirmação sobre a BaianaSystem. Onde "o rataplans dos tambores gratificam", a baianidade nagô pede passagem para fazer história. Senhoras e senhores, bem-vindos à OLODUMBAIANA. Russo Passapusso com a potência do Olodum Max Haack Foi assim que BaianaSystem e Olodum uniram a genialidade, os tambores e os ritmos para presentear o público do Festival de Verão Salvador 2023 com um show histórico em celebração ao samba reggae, ritmo nascido nas ruas de Salvador sob a batuta do eterno mestre Neguinho do Samba. Olodum canta 'Várias Queixas' no Festival de Verão Salvador FOTOS: veja imagens do segundo dia do Festival de Verão Salvador Veja página especial do g1 para o Festival de Verão Salvador Lazinho, uma das vozes emblemáticas do Olodum Max Haack Durante uma hora, baianos e turistas assistiram uma apresentação recheada de clássicos do Olodum e hits mais novos da Baiana. Com vocais divididos entre Russo Passapusso, Lazinho e Lucas di Fiori, e as duas bandas no palco, o público assistiu uma celebração aos ritmos da Bahia e à baianidade nagô. Ao som de 'Duas Cidades', Baiana System e Olodum puxam gritos de 'Mariele e Moa Vive' O esperado dueto começou com uma apresentação em vídeo que destacava que o "Samba reggae é o futuro". Em seguida, Alegria de Geral, de Alberto Pita e Itamar Tropicália deu o tom do apresentação que já começou histórica. Lazinho, uma das vozes emblemáticas do Olodum Max Haack Em "Capim Guiné", a Baiana ditou o ritmo acompanhada dos tambores do Olodum e ninguém ficou parado. A sequência da parceria teve hits como "Olodum pra balançar", "Rosa" e a clássica "Avisa lá". O público acompanhou junto e cantou em coro "Duas cidades" e "Várias queixas", cantada mais cedo pelo grupo Gilsons em dueto com Xamã. Russo Passapusso, um talento da Bahia no Festival de Verão Max Haack Como não poderia faltar a noite história ainda teve "Faraó" sacudindo o Parque de Exposições em um encontro histórico de duas grandiosas gerações da música baiana. A noite ainda tinha espaço para mais nomes e o rapper baiano Vandal subiu no palco para aumentar a mistura de ritmos. De surpresa, Vandal participa do show de Baiana System e Olodum no FV23 A noite de celebração à cultura negra da Bahia terminou com as tradicionais rodas de dança no meio do público e a presença, no palco, do Saci, personagem do folclore brasileiro e que dá nome a uma das músicas da Baiana. Olodum & Baiana: Festival de Verão é marcado este ano por encontros musicais Max Haack Baiana System subiu ao palco do FV23 ao lado do Olodum durante show no Festival de Verão Salvador Max Haack/Ag Haack Espetáculo visual no show do Olodum com Baiana no Festival de Verão Salvador Max Haack Veja mais notícias do estado no g1 Bahia. Assista aos vídeos do Festival de Verão Salvador 💻
Mon, 30 Jan 2023 02:37:07 -0000
Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania chega em Roraima para apurar violações a direitos dos Yanomami
A previsão é que o grupo fique na região até quinta-feira (2) e visite a terra indígena na terça-feira (31). Neste domingo (29), quatro indígenas foram trazidos da reserva com quadro de desnutrição e malária e uma criança com desnutrição e pneumonia. Representantes do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania chegam a Roraima Uma comitiva do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania chegou em Roraima neste domingo (29). A equipe vai apurar possíveis violações a direitos dos indígenas Yanomami. LEIA TAMBÉM: Conheça a Terra Yanomami, maior reserva indígena do Brasil Jair Bolsonaro propôs acabar com reserva indígena Yanomami quando era deputado; leia íntegra O testemunho de Sônia Bridi e Paulo Zero sobre a tragédia Yanomami Em mais um resgate na Terra Yanomami, neste domingo, quatro indígenas foram trazidos da reserva para atendimento em Boa Vista. Os adultos estão com quadro de desnutrição e malária. A criança, desnutrida e com pneumonia, foi levada para o hospital Santo Antônio, o único infantil do estado e onde estão internadas 43 crianças Yanomami, sendo oito delas na UTI. Os casos não tão graves ficam em atendimento na Casa de Saúde Indígena, em Boa Vista, ou no hospital de campanha da Força Aérea que foi montado na última sexta-feira (27) e que já fez 150 atendimentos. Nesta semana a FAB entregou cerca de 30 toneladas de remédios e alimentos na região. Em meio as ações emergenciais, mais vidas indígenas são perdidas. Rodênia Yanomami, de 33 anos, estava internada na UTI do Hospital Geral de Roraima com um quadro grave de desnutrição. Ela não resistiu e morreu na manhã de sábado (28). O Conselho Distrital de Saúde Indígena confirmou a morte de outros seis Yanomami em comunidades que ficam perto do Polo Base de Surucucu, dentro da reserva. Entre os mortos estão uma criança de nove anos e o líder de uma aldeia. Os corpos desses dois já foram resgatados, mas os de outros quatro indígenas continuam na floresta. “Estão tentando ainda pousar e resgatar esses corpos para deixar em suas comunidades. E morreram dentro da floresta porque foram procurar alimentação”, explica Junior Hekurari Yanomami, do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami. A previsão é que o grupo do Ministério dos Direitos Humanos fique até quinta-feira (2) em Roraima, e visite, na terça-feira (31), a Terra Indígena Yanomami. “O objetivo principal é fazer um diagnóstico amplo da situação da violação de direitos humanos do povo Yanomami. E para isso nós vamos fazer uma escuta ampliada da sociedade civil, das lideranças indígenas, depois vamos conversar com o governo local, com as autoridades locais, vamos mapear os equipamentos públicos que podem receber apoio, suporte do Ministério dos Direitos Humanos nas suas políticas de proteção e defesa dos direitos humanos”, diz Rita Cristina de Oliveira, secretária-executiva do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania. Ouça os podcasts do Fantástico: ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. Todo domingo tem episódio novo. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito.
Mon, 30 Jan 2023 02:21:48 -0000
Presidente do Peru diz que irá propor lei para adiantar eleições para 2023 caso projeto não passe pelo Congresso

País enfrenta instabilidade política desde o fim de 2022. Quase 60 pessoas já morreram em protestos desde então. Dina Boluarte durante discurso para a população em 12 de dezembro REUTERS A presidente do Peru, Dina Boluarte, afirmou neste domingo (29) que, se o Congresso do país não aprovar a mudança das próximas eleições para 2023, seu governo irá propor uma nova lei para adiantar as eleições para outubro deste ano. Ela também afirmou que, caso o adiantamento das eleições não seja aprovado, o Executivo irá propor uma lei que obrigue o próximo Congresso eleito a supervisionar uma reforma completa da Constituição. O país vive um momento de instabilidade desde que o antigo presidente, Pedro Castillo, tentou realizar um autogolpe e foi substituído por Boluarte no fim de 2022. Desde então, protestos tomaram conta do país e quase 60 pessoas já morreram. Entenda os protestos Os protestos, que começaram no interior do país, mudaram-se na semana passada para Lima , onde um grupo de mais de mil manifestantes marchou pela primeira vez ao longo da principal avenida que liga a parte norte da capital com o centro histórico. Os manifestantes exigem: Saída de Dina Boluarte da presidência; Renúncia dos membros do Congresso; Convocação de uma assembleia constituinte; Antecipação das eleições; Justiça para os que morreram durante os protestos. Alguns manifestantes exigem também a libertação e a reintegração de Castillo como presidente. Na sexta-feira (27), um projeto de lei que buscava antecipar as eleições gerais para o final de 2023 não foi aprovado pelo plenário do Congresso: 45 parlamentares votaram a favor, 65 contra, 2 se abstiveram. Os parlamentares apresentaram pouco antes do encerramento do plenário parlamentar uma reconsideração da votação que rejeitou o projeto de antecipação das eleições. A presidência do Peru lamentou que o Congresso não tenha definido uma data para o avanço das eleições gerais, conforme solicitado por milhares de peruanos, entre outras demandas durante os protestos incessantes. "O Peru não está mais interessado no que o Congresso faz. O Congresso não é necessário para o povo peruano. Vamos continuar na marcha, a polícia tem que se cansar, a gente vê o cansaço deles, a gente vai entrar lá", disse Juan Cruz, um manifestante usando um capacete laranja.
Mon, 30 Jan 2023 02:06:46 -0000
Representante do pagodão do Festival de Verão, Leo Santana fala sobre música 'vai dar PT' e primeiro carnaval como pai

Cantor é atração neste domingo (29) e conta com Lore Improta na plateia. Antes de subir no palco do FV23, Léo Santana fala sobre filha e música 'Vai Dar PT' Leo Santana, uma das atrações do Festival de Verão neste domingo (29), falou, durante entrevista à imprensa, sobre como o momento político do Brasil fez com que "Vai dar PT", voltasse para o ranking das canções mais ouvidas no momento. O cantor ainda falou sobre família e o show no festival. Confira a página especial do Festival de Verão Salvador FOTOS: confira imagens do 2° dia do Festival de Verão VÍDEOS: assista aos melhores momentos do 2° dia da festa A canção é de 2018 e a expressão "Vai dar PT" significa "perda total", gíria comum na Bahia para citar pessoas que passaram mal após consumir bebidas alcoólicas em excesso. No entanto, durante o período eleitoral, em 2022, o hit voltou à boca do povo e ganhou uma conotação diferente: passou a ser associada ao Partido dos Trabalhadores (PT). “Que loucura isso, a música entrou no TOP 50 nacional dos streamings por causa do momento político. Eu levei isso super na esportiva”, falou. Durante as eleições, Léo retirou "Vai dar PT" do repertório dos shows, mas segundo ele, isso não teve relação política. O cantor disse que a mudança foi por causa da renovação constante do seu repertório. Léo também falou sobre o primeiro carnaval como pai, onde existe a possibilidade de levar a filha de um ano, Liz, para o trio elétrico durante a folia em Salvador. "A vontade é grande, mas acho que ainda é muito cedo. Liz é meio destemida, mas acho que ela vai se assustar porque é muita gente e som alto”, contou. Dentro de casa, o cantor não é o "GG", mas sim o pai de Liz, fruto da sua união com a dançarina e influencer Lore Improta. Como filho de peixe, peixinho é, a pequena adora dançar e sempre aparece animada nas redes sociais dos pais. Leo Santana é representante do pagodão no Festival de Verão Carolina Cerqueira Sobre o Festival de Verão, Léo disse que promete fazer o público "meter dança" com músicas como Santinha, Revoada e Destampei. Assim como Bell Marques, ele se apresenta sozinho no evento que foi marcado por encontros musicais. Neste domingo, o cantor, que é o representante do pagodão baiano na edição, promete trazer as novidades do verão de 2023 e fazer o público matar a saudade de canções mais antigas, como "Rebolation". "Expectativas são as melhores. Eu acompanhei o Festival de Verão de casa, porque eu sempre tive medo de 'muvuca'. Minhas irmãs vinham sempre e eu assistia com a minha mãe de casa. E hoje eu estou aqui, passa um filme na cabeça, passar de telespectador para atração”, afirmou. Veja mais notícias do estado no g1 Bahia. Assista aos vídeos do Festival de Verão
Mon, 30 Jan 2023 02:06:28 -0000
‘A gente está vivendo um pesadelo’, afirma enfermeira de posto de atendimento na Terra Yanomami
Eliane Opoxina trabalha há dez anos com os Yanomami. Ela conta que os profissionais de saúde tentam salvar vidas com 'o mínimo do mínimo'. ‘A gente está vivendo um pesadelo’, afirma enfermeira de posto de atendimento na Terra Yanomami No último final de semana, o Fantástico entrou na Terra Indígena Yanomami, em Roraima, cenário de uma tragédia humanitária. A situação mais grave está na parte Norte, onde estão dos pelotões especiais de fronteira do Exército - e a maior concentração de garimpo no Território Yanomami. A enfermeira Eliane Opoxina, que trabalha há dez anos com os Yanomami, conta como é trabalhar no único posto de atendimento ativo na região, em Surucucu. 🎧Podcast do Fantástico: O testemunho de Sônia Bridi e Paulo Zero sobre a tragédia Yanomami “A gente está vivendo um pesadelo nestes últimos anos, principalmente nos últimos quatro anos, né? É realmente desesperador para nós, profissionais de saúde, trabalhar nas condições que a gente vem trabalhando, tentando salvar vidas com o mínimo do mínimo”, afirma. Malária, pneumonia, desnutrição, contaminação por mercúrio: Fantástico mostra a tragédia humanitária na Terra Indígena Yanomami Muitos têm contaminação pelo mercúrio usado no garimpo. O metal está na água, nos alimentos e passa de mãe para filho na amamentação. Veja a reportagem completa no vídeo abaixo: Fome, desnutrição, malária, e contaminação por mercúrio: a tragédia Yanomami em Roraima Leia mais: Líder Yanomami diz ter enviado cerca de 60 pedidos de ajuda ao governo Bolsonaro e não obteve resposta Magreza extrema, cabelos fracos e feridas: os sinais da desnutrição grave entre os Yanomami Raio-X: conheça a Terra Yanomami, maior reserva indígena do Brasil em emergência por casos de desnutrição e malária Ouça os podcasts do Fantástico: ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. Toda segunda-feira tem episódio novo. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Bichos na Escuta' na sua plataforma preferida. Toda quinta-feira tem episódio novo.
Mon, 30 Jan 2023 01:59:44 -0000
Malária, pneumonia, desnutrição, contaminação por mercúrio: Fantástico mostra a tragédia humanitária na Terra Indígena Yanomami

Os repórteres Sônia Bridi e Paulo Zero acompanharam uma operação para levar socorro até a região. Você vai ver como a maior terra indígena do Brasil chegou a essa situação de emergência. Fome, desnutrição, malária, e contaminação por mercúrio: a tragédia Yanomami em Roraima No último final de semana, o Fantástico entrou na Terra Indígena Yanomami, em Roraima, cenário de uma tragédia humanitária. Os repórteres Sônia Bridi e Paulo Zero acompanharam de perto a distribuição de remédios e alimentos - e mostram o resgate de mulheres e crianças doentes. No vídeo acima, você vai ver como a maior terra indígena do Brasil chegou a essa situação de emergência. 🎧Podcast do Fantástico: O testemunho de Sônia Bridi e Paulo Zero sobre a tragédia Yanomami A reportagem do Fantástico entrou na Terra Yanomami com o presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena, Junior Hekurari, e o novo secretário da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), Weibe Tapeba. A visita deles é para organizar o programa de socorro. ‘A gente está vivendo um pesadelo’, afirma enfermeira de posto de atendimento na Terra Yanomami “A gente vivia, a gente tinha a vida, a gente tinha trabalho, pescava. A gente não tem hoje. Não tem, porque o povo Yanomami está doente. Então, a situação é muito grave”, relata Junior Hekurari. Líder Yanomami diz ter enviado cerca de 60 pedidos de ajuda ao governo Bolsonaro e não obteve resposta Magreza extrema, cabelos fracos e feridas: os sinais da desnutrição grave entre os Yanomami Raio-X: conheça a Terra Yanomami, maior reserva indígena do Brasil em emergência por casos de desnutrição e malária A situação mais grave está na parte Norte, onde estão dos pelotões especiais de fronteira do Exército - e a maior concentração de garimpo no Território Yanomami. Paulo Zero Em Homoxi, o repórter Paulo Zero embarcou no helicóptero da Sesai com a missão de resgatar pacientes em lugar emblemático para entender a crise. A partir de 2017, o garimpo avançou por dezenas de quilômetros na região do Homoxi. Os garimpeiros tomaram a pista da Sesai, expulsaram a equipe de saúde e usaram o posto como depósito de combustível. Em 2022, policiais federais estiveram lá e destruíram máquinas do garimpo. Em represália, os garimpeiros botaram fogo no posto de saúde. São várias aldeias na região cercadas pelo garimpo. As mães e os filhos estão com febre. O resgate é muito rápido - a equipe está sem segurança e teme o ataque de garimpeiros armados. Casos subnotificados No ano passado, foram registrados 22 mil casos de malária – em uma população de 30 mil Yanomamis. No entanto, no Homoxi, onde o posto foi tomado e queimado pelo garimpo, houve apenas 7 casos notificados. Isso deixa claro que os números oficiais não refletem toda a realidade. Nos anos 1990, uma grande operação do Governo Federal retirou os garimpeiros que haviam invadido a região. Em 1992, a Terra Yanomami foi demarcada. Depois disso, o garimpo quase desapareceu. Mas voltou em 2016 - e em escala brutal. Os números mostram que o aumento dos casos de malária acompanha o do garimpo. Em dezembro de 2022, a área atingida pelo garimpo chegava a 5 mil hectares. Um aumento de mais de 300% em relação ao final de 2018. “Durante esses quatro anos, piorou muito as situações graves. Chegou malária, desnutrição do povo Yanomami. Desde que que eu levei o primeiro Fantástico, né? E, desde então, o pessoal não recebeu nenhuma ajuda”, relembra o líder indígena Junior Hekurari, citando a reportagem produzida pelo Fantástico em novembro de 2021, quando o repórter Alexandre Hisayasu denunciou a crise humanitária que se agravava. São várias aldeias na região cercadas pelo garimpo Paulo Zero No último fim de semana, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi a Boa Vista, capital do estado, acompanhado de ministros. “A gente não pode entender como um país que tem as condições que tem o Brasil deixar os indígenas abandonados como eles estão aqui”, afirmou Lula. A crise sanitária matou 570 crianças Yanomami de 2019 a 2022, 29% a mais que nos quatro anos anteriores. Os dados do Ministério da Saúde foram compilados pela agência Sumaúma. No sábado (28), o ex-presidente Jair Bolsonaro divulgou um relatório da CPI que, em 2008, investigou a morte de crianças indígenas por subnutrição. Motivada pela crise entre os guarani-kaiowá, no Mato Grosso do Sul, a CPI cita avanço da malária entre os Yanomami, em Roraima. No post de Bolsonaro, a foto usada é de uma criança de outra etnia, do Maranhão. O ex-presidente diz “que nunca um governo dispensou tanta atenção e meios aos indígenas como o dele.” No entanto, os dados mostram que, no período Bolsonaro, as mortes de crianças Yanomami por desnutrição quase quadruplicaram. Com dados do Ministério da Saúde, o Fantástico separou só as mortes por desnutrição de crianças de zero a 5 anos. Foram 152 nos últimos quatro anos, contra 33 no período anterior. Um aumento de 360%. “Temos também lavagem de dinheiro, temos a atuação de organizações criminosas e, nesta questão específica da saúde, não há dúvida que nós temos indícios do crime de genocídio”, afirma o ministro da Justiça, Flávio Dino. A única condenação, no Brasil, por genocídio foi a de três garimpeiros, que mataram 16 Yanomami em 1993. O episódio que ficou conhecido como o Massacre de Haximu. A crise sanitária matou 570 crianças Yanomami de 2019 a 2022 Paulo Zero Não faltaram avisos A tragédia Yanomami se transformou em uma crise humanitária imensa longe dos olhos do Brasil, mas não por falta de aviso. “Eu mandei várias vezes ofício para o governo para o Governo Federal, avisando que os Yanomami estavam doentes e desnutrição grave, para fazer uma ação na Terra Indígena Yanomami, com fotos. Mas nunca responderam para nós”, relembra Junior Hekurari. Ao todo, foram 21 pedidos em 4 anos, sem resposta. E teve mais: em 2020, uma liminar da Justiça Federal obrigava o governo a combater o garimpo. Além disso, nos últimos anos, o Governo Federal não cumpriu uma decisão do Supremo Tribunal Federal que ordenava a retirada de todos os garimpeiros daqui da Terra Indígena Yanomami. A decisão, também de 2020, em plena pandemia, alertava para o risco de uma crise como esta. Em 2022, três operações conjuntas de combate ao garimpo foram planejadas. Mas duas foram canceladas porque o Ministério da Defesa não disponibilizou helicópteros de grande porte, necessários para operar na terra indígena. O Fantástico acompanhou a terceira, quando agentes do Ibama e da Polícia Federal destruíram ou apreenderam uma centena de aeronaves e inutilizaram boa parte da infraestrutura do garimpo. O ex-presidente Bolsonaro esteve em Roraima e visitou um garimpo ilegal. Ainda deputado, ele propôs acabar com a Terra Indígena Yanomami porque é "riquíssima em madeiras nobres e metais raros". No sábado, dia 21, o ex-presidente disse, em uma rede social, que a fome Yanomami é uma farsa da esquerda - e que o governo dele executou 20 operações de saúde em terras indígenas. Na quinta-feira (26), o STF em nota, disse que identificou indícios de que o governo Bolsonaro teria fornecido informações falsas à Justiça sobre assistência e proteção à comunidade Yanomami. A reportagem não conseguiu contato com o ex-presidente da Funai, Marcelo Xavier, nem com o ex-Ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, para perguntar sobre o apoio aos indígenas da região. Como recuperar a região Polícia Federal, Ibama, Funai e Ministério da Defesa estão planejando operações para expulsar de vez o garimpo. A tarefa é imensa. Pode levar anos para a recuperação das roças e para os rios voltarem a ter vida. A reportagem do Fantástico viajou em aeronaves da Presidência da República, da Sesai e da Força Aérea Brasileira. A TV Globo vai doar o valor equivalente ao custo das viagens para a ONG Ação da Cidadania. Ouça os podcasts do Fantástico: ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. Toda segunda-feira tem episódio novo. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Bichos na Escuta' na sua plataforma preferida. Toda quinta-feira tem episódio novo.
Mon, 30 Jan 2023 01:57:10 -0000
Boate Kiss: série do Globoplay dirigida por Marcelo Canellas relembra tragédia dez anos depois

'História de amor de pais e mães, a partir do compromisso que eles assumiram com seus filhos de lutar por justiça', diz o jornalista. Saiba mais. Globoplay lança série documental sobre os 10 anos da tragédia da Boate Kiss Dia 27 de janeiro de 2013, uma madrugada que o Brasil nunca esqueceu. Dez anos depois, um dos momentos mais tristes da nossa história recente é relembrado na série documental "Boate Kiss - A Tragédia de Santa Maria", que estreou esta semana no Globoplay. A direção é do jornalista Marcelo Canellas. Ele passou a infância e a juventude em Santa Maria. Na série, sobreviventes relembram em detalhes o horror daquela noite. “As janelas fechadas, os extintores que não funcionavam, a falta de iluminação, a falta de treinamento adequado dos seguranças da boate. A espuma. Degraus dentro da boate. A falta de sinalização indicando rotas de saída”, diz o delegado que cuida do caso. MEMÓRIA GLOBO: Incêndio da boate Kiss VÍDEOS: veja tudo sobre os 10 anos do incêndio da boate Kiss Veja o perfil das vítimas da tragédia em boate de Santa Maria Boate Kiss: árvore plantada para marcar um ano da tragédia dá frutos em Santa Maria Veja tudo sobre a Boate Kiss A equipe, em parceria com a TV Ovo, um coletivo audiovisual de Santa Maria, gravou mais de 1,3 mil horas de entrevistas. Canellas ainda viajou à Argentina para recontar outra história trágica, muito semelhante à da Kiss: o incêndio na boate Cromañón. "É praticamente um manual do que aconteceria em Santa Maria nove anos depois. Argentina, 194 mortos. E em Santa Maria, 242 mortos. A gente reconstituiu passo a passo dos erros que levaram a essa catástrofe, tendo o julgamento como pano de fundo", diz Canellas. Marcelo Canellas e equipe gravam em frente ao local onde funcionava a Boate Kiss Divulgação/Globo A série também mostra os embates entre a acusação e os defensores dos réus. Os cinco episódios, com roteiro de Fernando Rinco e Gabriel Mitani, já estão disponíveis no Globoplay. "Esse documentário, no fundo, é uma grande história de amor. Amor de pais e mães, a partir do compromisso que eles assumiram com 242 garotos, seus filhos de lutar por justiça, né? E, apesar do cansaço, não há sinal de que eles vão desistir de lutar por justiça", diz Marcelo Canellas. Veja todos os detalhes das gravações na reportagem em vídeo acima. Ouça os podcasts do Fantástico: ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. Toda segunda-feira tem episódio novo. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Bichos na Escuta' na sua plataforma preferida. Toda quinta-feira tem episódio novo.
Mon, 30 Jan 2023 01:34:14 -0000
Caso Daniel Alves: veja como funciona o plano de ação adotado em boates de Barcelona quando há denúncia de abuso sexual
Nos últimos sete anos, a Espanha criou uma série de medidas para investigar e punir com rigor quem comete crimes sexuais. Em Barcelona, todos os funcionários de casas noturnas são treinados para saberem lidar com situações como a que envolve o jogador brasileiro Daniel Alves. Caso Daniel Alves: veja como funciona o plano de ação adotado em boates de Barcelona quando há denúncia de abuso sexual Nos últimos sete anos, a Espanha criou uma série de medidas para investigar e punir com rigor quem comete crimes sexuais. Uma dessas medidas é o protocolo adotado na noite em que o jogador Daniel Alves foi acusado de estuprar uma jovem numa boate, no fim do ano passado. O Fantástico foi até Barcelona e mostra como funciona esse plano de ação, que prevê, entre outras coisas, um ambiente isolado para acolher a vítima e mantê-la longe do agressor. Caso Daniel Alves: veja como é a boate onde mulher diz que foi estuprada pelo jogador Daniel Alves preso: pulseira eletrônica, sêmen na cabine e fotos apagadas; veja os desdobramentos mais recentes do caso Daniel Alves deu três versões diferentes após ser acusado de agressão sexual Prisão de Daniel Alves: o que se sabe e o que falta saber Caso Daniel Alves: mulher que acusa jogador de violência sexual recusa indenização As polêmicas corridas de touros em Pamplona transformaram a pequena cidade do Norte da Espanha conhecida em todo o mundo. Em julho, a festa de São Firmino, padroeiro da cidade, reúne milhares de pessoas nas ruelas históricas da vila para o grande ‘encierro”. Mas nas festas de 2016, a cidade ficou marcada por outro episódio. Um grupo de cinco homens estuprou uma jovem de 18 anos. Os agressores filmaram o crime e compartilharam as imagens em um grupo de WhatsApp que eles chamavam de "La Manada". O caso provocou muita revolta porque, inicialmente, a Justiça não considerou o crime como estupro. A decisão desencadeou uma onda de protestos por toda a Espanha. Mas as manifestações levaram a outras mudanças na sociedade espanhola. Uma delas foi o surgimento de diversos protocolos para combater agressões sexuais e violência machista em ambiente públicos. Cidades e regiões da Espanha, como a capital da Catalunha, criaram diferentes protocolos. São protocolos adotados por todas as boates de Barcelona, que são colocados em prática quando há uma denúncia de agressão sexual. Todos os funcionários de casas noturnas são treinados para saberem lidar com situações como a que envolve o jogador brasileiro Daniel Alves. O ex-lateral da seleção brasileira é acusado de estuprar uma jovem espanhola de 23 anos dentro do banheiro de uma boate. A casa noturna, segundo os jornais espanhois, teria seguido à risca um desses protocolos, o “No calem” – “não se cale” em português, que foi criado em 2018 pelo governo de Barcelona. Daniel Alves acabou preso. O Ramón é dono de uma boate em Barcelona . Antes de abrir as portas da discoteca, ele mostrou ao Fantástico como funciona o protocolo “No Callem”. “Imagina que uma menina teve um problema, a primeira coisa que ela faz é falar com algum responsável do local, com alguém e dizer o que aconteceu. Então a acompanhamos ao escritório ou a um lugar mais calmo para ela ficar mais tranquila, perguntamos o que aconteceu, tentamos acalma-la e chamamos a polícia. Depois, imediatamente, perguntamos aonde aconteceu isso para que a gente possa procurar nas câmeras de segurança. Essas câmeras armazenam a gravação por 30 dias, e damos todas as sequências de imagens as autoridades, Quando a polícia chega, eles pegam a declaração da vítima e das pessoas, dos funcionários que tenham visto algo”, conta Ramón Más. Na Espanha, a alteração no código penal, provocado pelo barulho dos movimentos feministas, resultou numa nova lei, que ficou conhecida como "Lei do só o sim é sim". Ou seja, é preciso sempre esperar que a pessoa manifeste claramente a sua vontade de ter algum tipo de relacionamento. A Espanha também criou os pontos violetas - que são tendas nas ruas para acolher mulheres, receber denúncias e dar explicações a elas sobre seus direitos. A iniciativa chegou até a Argentina. Veja todos os detalhes na reportagem em vídeo acima. Ouça os podcasts do Fantástico: ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. Toda segunda-feira tem episódio novo. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Bichos na Escuta' na sua plataforma preferida. Toda quinta-feira tem episódio novo.
Mon, 30 Jan 2023 01:27:58 -0000

This page was created in: 0.70 seconds

Copyright 2023 Oscar WiFi

This website or its third-party tools use cookies, which are necessary to its functioning and required to achieve the purposes illustrated in the cookie policy. By closing this banner, scrolling this page, clicking a link or continuing to browse otherwise, you agree to the use of cookies. If you want to know more or withdraw your consent to all or some of the cookies, please refer our Cookie Policy More info